Isolamento geográfico, a escassez de água potável devido à urbanização, irrigação extensiva,turismo, bem como o grande depósito de sal provocado por ventos em reservatórios de água, são algumas das situações mais comuns em ilhas e áreas costeiras. A falta de água potável é uma preocupação em especial, tornando essas regiões extremamente dependentes de importação de água o que tem custo muito elevado.

O projeto REFRESH, patrocinado pela União Européia, que congrega cientistas especialistas em rios, lagos e pântanos com experiência em hidrologia, hidroquímica, ecologia e ciências sociais, tem o objetivo de resolver esse problema. Para tanto, foram projetados, e serão disponibilizados para o mercado, contêineres de PVC e poliéster que podem ser utilizados para transportar água potável.

Esses novos contêineres são grandes bolsas de água que são transportadas por rebocadores. De acordo com a Aimplas, o Instituto de Tecnologia da Espanha, envolvido no projeto, o sistema é de 50-75% mais barato do que o transporte de água por tanques em navios e não prejudica o meio ambiente.

“O sistema modular dos contêineres da REFRESH permite que possamos alternar a capacidade, fazer diversas descargas mantendo a integridade do resto do carregamento em caso de avaria a um dos módulos,” afirma ao European Plastic News, o gerente de projeto, Vicent Martínez.

Um protótipo de contêiner medindo 20 metros de comprimento e 4 metros de diâmetro, com capacidade de 200m³ de água, está em teste. Em Novembro de 2012, ele foi utilizado com sucesso para transportar água potável de Creta para o Golfo de Souda, uma viagem que foi detalhadamente coberta pela Euronews.

A Aimplas diz que o sucesso do teste mostra a viabilidade técnica dos contêineres flexíveis flutuantes, e agora está solicitando à  Comissão Europeia, um segundo projeto, o REFFRESH XXL, que desenvolveria um  contêiner dez vezes maior, para exploração do sistema de transporte em escala comercial.

Projeto: REFRESH
Coordenador: Grupo Spanopoulos
Local: Mediterrâneo
Informação técnica: PVC, poliéster.
Função: Armazenamento de água
Créditos da foto: REFRESH

Fonte: Wonderful Vinyl

Hexis health é um filme de PVC adesivado ultrafino impregnado com um agente antimicrobiano que foi desenvolvido pela empresa francesa Hexis, com a finalidade de combater infecções causadas por bactérias do tipo E coli, Staphylococcus aureus e Staphylococcus aureus resistente à meticilina.

O filme controla a disseminação de micróbios diariamente, e sua função protetora é garantida durante todo o seu tempo de vida útil, sem a necessidade de limpeza especial.

O produto pode ser facilmente aplicado em diversas superfícies, portas e maçanetas, paredes, moveis, aparelhos elétricos, banheiros, telas, etc. Ele pode ser usado em qualquer lugar onde a higiene é de suma importância: hospitais, clínicas, escolas, berçários, casas de repouso, refeitórios, transporte público e outros locais.

As superfícies revestidas com o filme não exigem manutenção ou tratamento especial, e a proteção antimicrobiana não precisa ser reativada.

De acordo com um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde, a cada ano 50.000 pessoas na Europa e 100.000 nos Estados Unidos morrem devido a infecções decorrentes do atendimento à saúde (Healthcare Associated Infections – HCAI).

Os pacientes em tratamento desse tipo de infecção adquirida em hospitais precisam ficar internados durante muitos dias, um custo decorrente estimado entre 13 e 25 bilhões de Euros! “Devido à sua capacidade de inibir o crescimento de uma grande variedade de micróbios, o filme de PVC Hexis Health é muito eficaz, por prevenir sua disseminação e como complemento na luta contra HCAI, de acordo com as melhores práticas, conforme definido por instituições nacionais, europeias e internacionais, i.e., a Health First Europe, a European Commission e a World Health Organization”, declara a empresa.

O jovem artista brasileiro Henrique Oliveira articulou ainda mais em cada um de seus novos trabalhos sua habilidade de transformar espaços tridimensionais em atmosferas repletas de espaços vibrantes livres fluxo de energia.

As peças, que geralmente contêm materiais naturais e à base de PVC, são cuidadosamente organizados com o intuito de, frequentemente, construir massas orgânicas de larga escala – de alguma forma, a estética refere-se a elementos antropomórficos confrontantes.

A instalação, que envolve uma gama de recursos, pode ser vista e sentida de uma maneira altamente envolvente como em seu último trabalho “ursulinens prolapse”, no qual encontramos um interior altamente detalhado, texturizado e provocativo onde é possível entrar, envolvendo o expectador de uma maneira que ele se sinta em outro mundo.

Os contornos característicos, os riachos e as formas dos trabalhos de Oliveira, que lembram uma ameba, têm origem em sua infância vivida em estreito contato com a marcenaria do pai. Depois de estudar mídias sociais, mudou sua opção profissional: passou a “pintar” em madeira, um material frequentemente usado nas esculturas do artista. Oliveira consegue prender o expectador à suas obras, pedindo a ele que explore, questione e o mais importante, permaneça curioso em relação ao seu trabalho.

Projeto: Realidade Líquida
Local: Clemson, EUA
Artista: Henrique Oliveira, São Paulo, Brasil
Informações técnicas: PVC com madeira, concreto e madeira
Créditos das fotos: Everton Ballardin
Website: www.henriqueoliveira.com